A Bomba e o Lenço

1 fev

por Henrique Costa


Dilma Roussef, foi hoje à Argentina se encontrar com a presidente dos nossos hermanos, Cristina Kirchner. Dentre os assuntos tratados no encontro, dois chamam a atenção.

O Acordo Nuclear

Acordo Brasil e Argentina

Como tornou-se de praxe, desde Lula, o governo brasileiro tenta, cada vez mais, estreitar as relações com os países latino americanos. Coerente com isso, Dilma inicia seu governo firmando um importante acordo com nossa hermana Argentina, visando o desenvolvimento tecnológico de ambos os países, sobretudo na questão energética.

Além da aproximação com nossos vizinhos, esse acordo é importante por vários motivos. Primeiro porque, com o capital investido no Brasil, as indústrias no país crescem e, sem atualização do nosso sistema de produção de energia, esse crescimento pode ser barrado.

Depois, como demonstrou o apagão em 2009, quando a nossa principal usina – a hidrelétrica de Itaipú – falhou, nosso setor energético está desatualizado e extremamente concentrado, de forma que uma pequena falha pode prejudicar muito nosso desenvolvimento através de apagões semelhantes.

Não por acaso, a Petrobrás e o pré-sal se tornaram questão central nos debates presidenciais. São hoje, o principal foco de investimento do nosso setor energético.

Entretanto, como dito, isso não basta. O petróleo é uma fonte não-renovável e concentrar as atenções somente nele e em seus derivados seria correr o mesmo risco que corremos com Itaipu.

Por isso o desenvolvimento de nossa tecnologia nuclear é extremamente importante. Não para produzir bombas destruidoras, como diriam os mais reacionários seguidores de Enéas, mas para diversificar nosso meio produtivo.

Nossas experiências no setor nuclear até hoje são concentradas nas usinas de Angra, onde foi utilizada tecnologia atrasada, com pouco conhecimento técnico dos nossos profissionais, motivo pelo qual elas muito ineficientes com relação ao seu tamanho e impacto ambiental.

Hoje, ao redor do mundo, as usinas nucleares se desenvolveram e, mais compactas, podem acabar com a concentração energética do nosso país. São fontes poluidoras e não renováveis, mas são muito mais maleáveis do que as nossas hidrelétricas, além de ser um setor pouco pesquisado por nosso país.

Na reunião com Cristina Kirchner, portanto, Dilma acerta em cheio, reforçando os laços com nossos vizinhos e dando importantes passos para nosso desenvolvimento.

Observação Importante: Resta saber, ironizando, claro, se os EUA não dirão que estamos querendo construir bombas nucleares.

Abertura dos Arquivos da Ditadura

Mulheres contra a Ditadura

O encontro das presidentes se deu num importante marco, a Praça de Maio, onde recebeu lenços de diversas mulheres que perderam entes durante a ditadura militar argentina.

Este evento, ao meu ver, é mais um que me dá esperanças quanto o enfrentamento em nosso país de questões ainda não resolvidas da nossa ditadura militar.

Ao contrário do que diziam muitas das campanhas difamatórias nas eleições presidenciais de 2010, Dilma não é, nem foi terrorista. Ela enfrentou a ditadura militar, tendo sido presa e torturada à época, como inúmeros outros brasileiros que, privados de todo tipo de liberdade de expressão e pensamento, pela dura repressão.

Por vias corretas ou não, Dilma, como milhares de brasileiras, atuou em legítima defesa contra um sistema ditatorial criminoso que eliminou e apagou da memória brasileira, inúmeros cidadãos que esboçaram desafiá-la, mesmo através da palavra.

De todos os países da América Latina reprimidos por seus governos, o Brasil é dos únicos que, até hoje, não abriram seus arquivos da Ditadura Militar a fim de apurar e investigar os crimes contra o Estado cometidos pelos ditadores, ou o paradeiro das centenas de milhares de desaparecidos à época.

Por isso, denovo, essa aproximação com a Argentina, e a simbologia dos lenços entregues a Dilma casam completamente com a esperança de ter nossa história recuperada ou, no mínimo, esclarecida para nosso país.

Além dos brasileiros desaparecidos, os simbólicos lenços denunciam outros latino americanos desaparecidos no Brasil à época. Apesar das recentes declarações de ministros de Dilma, alimentam a esperança de que nossa presidente, participante efetiva da luta contra a ditadura militar, ajude a recuperar parte da nossa história, desconhecida por grande parte da população.

Se atender aos pedidos dessas mulheres argentinas, Dilma atenderá a uma enorme parcela da nossa sociedade, que viveu o período da repressão e até hoje não se sente livre de alguns de seus fantasmas, como a convivência com seus tortudadores ou o desconhecimento do paradeiro de alguns de seus entes.

Além disso, recuperará nossa história, de forma a evitar discussões destemperadas, ignorantes, desinformadas e desinformativas, como aquela apresentada a partir da campanha difamatória contra Dilma, na qual ela foi chamada de terrorista.

Anúncios

Uma resposta to “A Bomba e o Lenço”

Trackbacks/Pingbacks

  1. Tweets that mention A Bomba e o Lenço « 4 poderes -- Topsy.com - 1 de fevereiro de 2011

    […] This post was mentioned on Twitter by Ricardo Azarite and Vitor Coelho Nisida, Henrique Costa. Henrique Costa said: Novo post no 4poderes. Agora é o meu, confira! –> A Bomba e o Lenço: http://t.co/WxjdtkO […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: